PERMISSÃO INTERNACIONAL PARA DIRIGIR (PID)

DETALHES
Permissão Internacional para Dirigir – PID Foi lançado em abril de 2006 pelo Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), o novo modelo de Permissão Internacional para Dirigir (PID). Este modelo segue o padrão estabelecido na Convenção de Viena, firmada em 08 de novembro de 1968 e promulgada pelo Decreto nº 86.714, de 10 de dezembro de 1981. A PID poderá ser utilizada em mais de cem países, porém não substitui a CNH no território nacional. Para obter a permissão o condutor deverá possuir: • Carteira Nacional de Habilitação (CNH), devendo esta estar vigente. O prazo de validade da PID, a categoria da habilitação e as restrições médicas são os mesmos referentes à CNH. Qualquer alteração no cadastro do condutor deverá ser comunicada aos órgãos responsáveis e a mesma deverá ser incluída no respectivo documento internacional de habilitação. Para condutores habilitados somente com a Autorização para Conduzir Ciclomotor – ACC, não será emitida a Permissão Internacional para Dirigir – PID. Desde abril de 2006, o novo modelo pode ser retirado nos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Estados e do Distrito Federal e a cargo deles ficará a responsabilidade de determinar o valor da expedição do documento

PERCA O MEDO DE DIRIGIR METODOLOGIA Podemos ajudar. Só de falar em dirigir você já entra em pânico, suas pernas ficam bambas, mãos trêmulas e suor excessivo.

Venha até a London Autoescola, vamos ajudá-lo (a) a perder o medo de dirigir. O que fazer? O primeiro passo para superar o pânico é acreditar em você mesmo. Nossa proposta de “ajuda” é abordar o medo de dirigir sobre dois aspectos: A terapia e aulas especiais. São saídas para quem sofre ao pensar em dirigir. A terapia (deve ser tratada por um psicólogo): A terapia deve ser tratada quando este medo vier junto de outros medos. Pode até ser uma terapia breve, focada no medo de dirigir. Lembre-se que esta terapia vai abordar outros medos que podem paralisar a sua vida.

As aulas especiais: A London Autoescola têm instrutores especializados em ajudar quem tem medo de dirigir. Vale a pena fazer as aulas, mesmo que você já tenha a habilitação. Nosso instrutor será seu amigo e em cada aula, de 50 minutos de duração, estará procurando entender qual é o problema da pessoa e trabalhará com foco nele. Ele irá motivar você (aluno), conversando e fazendo-o acreditar que é capaz.

DICAS PARA OBTER UMA BOA PONTUAÇÃO NOS EXAMES

DICAS – FALTAS DO EXAME PRÁTICO

Moto

Pontuação: I – uma falta eliminatória: reprovação; II – uma falta grave: 03 (três) pontos negativos; III – uma falta média: 02 (dois) pontos negativos; IV – uma falta leve: 01 (um) ponto negativo.

Obstáculos: I – ziguezague (slalow) com no mínimo quatro cones alinhados com distância entre eles de 3,5m (três e meio metros); II – prancha ou elevação com no mínimo oito metros de comprimento, com 30cm (trinta centímetros) de largura e 3cm (três centímetros) de altura com entrada chanfrada; III – sonorizadores com réguas de largura e espaçamento de 0,08m (oito centímetros) e altura de 0,025m (dois centímetros e cinco milímetros), na largura da pista e com 2,5m (dois e meio metros) de comprimento; IV – duas curvas seqüenciais de 90o (noventa graus) em “L” (ele); V – duas rotatórias circulares que permitam manobra em formato de “8” (oito).

CONSTITUEM FALTAS, no Exame de Direção Veicular, para obtenção da ACC ou para veículos da categoria “A”:

I – Faltas Eliminatórias: a) iniciar a prova sem estar com o capacete devidamente ajustado à cabeça ou sem viseira ou óculos de proteção; b) descumprir o percurso preestabelecido; c) abalroar um ou mais cones de balizamento; d) cair do veículo, durante a prova; e) não manter equilíbrio na prancha, saindo lateralmente da mesma; f) avançar sobre o meio fio ou parada obrigatória; g) colocar o(s) pé(s) no chão, com o veículo em movimento; h) provocar acidente durante a realização do exame; i) cometer qualquer outra infração de trânsito de natureza gravíssima. (acrescentado pela Resolução nº 169/05)

II – Faltas Graves: a) deixar de colocar um pé no chão e o outro no freio ao parar o veículo; b) invadir qualquer faixa durante o percurso; c) fazer incorretamente a sinalização ou deixar de fazê-la; d) fazer o percurso com o farol apagado; e) cometer qualquer outra infração de trânsito de natureza grave. (redação dada pela Resolução nº 169/05)

III – Faltas Médias: a) utilizar incorretamente os equipamentos; b) engrenar ou utilizar marchas inadequadas durante o percurso; c) não recolher o pedal de partida ou o suporte do veículo, antes de iniciar o percurso; d) interromper o funcionamento do motor sem justa razão, após o início da prova; e) conduzir o veículo durante o exame sem segurar o guidom com ambas as mãos, salvo eventualmente para indicação de manobras; f) cometer qualquer outra infração de trânsito de natureza média.

IV – Faltas Leves: a) colocar o motor em funcionamento, quando já engrenado; b) conduzir o veículo provocando movimento irregular no mesmo sem motivo justificado; c) regular os espelhos retrovisores durante o percurso do exame; d) cometer qualquer outra infração de trânsito de natureza leve.

DICAS – FALTAS DO EXAME PRÁTICO

Carro

Etapas: I – estacionar em vaga delimitada por balizas removíveis; II – conduzir o veículo em via pública, urbana ou rural.

Tempo: a) para a categoria “B”: de dois a cinco minutos;

 Será considerado reprovado na prova prática de direção veicular o candidato que cometer falta eliminatória ou cuja soma dos pontos negativos ultrapasse a 3 (três).

I – Faltas Eliminatórias: a) desobedecer à sinalização semafórica e de parada obrigatória; b) avançar sobre o meio fio; c) não colocar o veículo na área balizada, em no máximo três tentativas, no tempo estabelecido; d) avançar sobre o balizamento demarcado quando do estacionamento do veículo na vaga; e) transitar em contramão de direção; f) não completar a realização de todas as etapas do exame; g) avançar a via preferencial; h) provocar acidente durante a realização do exame; i) exceder a velocidade regulamentada para a via; j) cometer qualquer outra infração de trânsito de natureza gravíssima.

II – Faltas Graves: a) desobedecer a sinalização da via, ou ao agente da autoridade de trânsito; b) não observar as regras de ultrapassagem ou de mudança de direção; c) não dar preferência de passagem ao pedestre que estiver atravessando a via transversal para onde se dirige o veículo, ou ainda quando o pedestre não haja concluído a travessia, mesmo que ocorra sinal verde para o veículo ; d) manter a porta do veículo aberta ou semi-aberta durante o percurso da prova ou parte dele; e) não sinalizar com antecedência a manobra pretendida ou sinalizá-la incorretamente; f) não usar devidamente o cinto de segurança; g) perder o controle da direção do veículo em movimento; h) cometer qualquer outra infração de trânsito de natureza grave.

III – Faltas Médias: a) executar o percurso da prova, no todo ou parte dele, sem estar o freio de mão inteiramente livre; b) trafegar em velocidade inadequada para as condições adversas do local, da circulação, do veículo e do clima; c) interromper o funcionamento do motor, sem justa razão, após o início da prova; d) fazer conversão incorretamente; e) usar buzina sem necessidade ou em local proibido; f) desengrenar o veículo nos declives; g) colocar o veículo em movimento, sem observar as cautelas necessárias; h) usar o pedal da embreagem, antes de usar o pedal de freio nas frenagens; i) entrar nas curvas com a engrenagem de tração do veículo em ponto neutro; j) engrenar ou utilizar as marchas de maneira incorreta, durante o percurso; k) cometer qualquer outra infração de trânsito de natureza média.

IV – Faltas Leves: a) provocar movimentos irregulares no veículo, sem motivo justificado; b) ajustar incorretamente o banco de veículo destinado ao condutor; c) não ajustar devidamente os espelhos retrovisores; d) apoiar o pé no pedal da embreagem com o veículo engrenado e em movimento; e) utilizar ou Interpretar incorretamente os instrumentos do painel do veículo; f) dar partida ao veículo com a engrenagem de tração ligada; g) tentar movimentar o veículo com a engrenagem de tração em ponto neutro; h) cometer qualquer outra infração de natureza leve.

DICAS PARA DIRIGIR CONFORTÁVEL

Veja algumas dicas para uma direção segura.


Deixe as pernas ligeiramente inclinadas permitindo
um ângulo de 135º aproximadamente.


Encoste as costas e a cabeça junto ao banco. Coloque os
dois punhos das mãos sobre a parte de cima do volante.
Desta forma os braços ficarão dobrados correntamente.


Em curvas mantenha as mãos firmes, evitando puxar
pelo lado interno do volante.


Ao segurar o volante, as mãos devem estar em
sentido opostos, formando um ângulo de
aproximadamente 180º.